O mês de outubro deste ano foi marcado pelo bicentenário de nascimento do pianista e compositor húngaro Franz Lizst. Conhecido pelo seu virtuosismo, o músico também tinha fama de sedutor e fazia sucesso entre as mulheres. Mais reservado, porém não menos genial, o austríaco Gustav Mahler destacou-se como exímio orquestrador. Ele morreu em maio de 1911. Os dois são os homenageados da 14ª edição do Virtuosi Festival Internacional de Música, que começa amanhã, em Olinda, e se encerra no dia 18, no Teatro de Santa Isabel, no Recife.

Antes dos tributos a Lizst e Mahler, as atenções se voltam para outra grande “estrela” do erudito. Neste sábado, na igreja olindense do Alto da Sé, o violoncelista pernambucano Leonardo Altino apresentará, pela primeira vez no Nordeste, as Seis suítes para violoncelo solo, do compositor Johann Sebastian Bach, divididas em duas sessões: às 18h e às 20h. Os Celo Fest marca a abertura oficial do Virtuosi.

Altino é professor assistente de violoncelo na Rudy Scheidt School of Music da Universidade de Memphis, Estados Unidos, e integrante da Cerutti String Quartet. O músico costuma se apresentar como solista e recitalista naquele país, além do Brasil, Taiwan, Alemanha, Chile, Colômbia, Canadá e Coréia. Também atuou em importantes orquestras brasileiras, nas sinfônicas do Chile e de Bogotá.

No domingo, também na Sé, apresentam-se, às 16h, o Cellos da UFRN & Percumpá. Este é coordenado pelo docente Cleber da Silveira Campos e é formado por professores e alunos de percussão do curso técnico, bacharelado e pós-graduação daquela instituição de ensino. O público deve presenciar uma interessante junção da suavidade de instrumentos de corda com a força dos tambores. No programa, obras de Liduino Pitombeira, Ernst Widmer, Astor Piazzolla, Daniel Johnston, Heitor Villa-Lobos e Bach.

A partir das 18h, os dinamarqueses do Arild Kvartetten apresentam obras de Johannes Brahms, Hugo Wolf e Wolfang Amadeus Mozart. Formado em 2008, eles têm se destacado em seu país como um dos mais importantes grupos de música de câmara.

O Trombone Unit Hannover toca em seguida, a partir das 20h. Os oito jovens – alunos e ex-alunos da Escola Superior de Música e Teatro de Hannover -, interpretam composições de Georg Friedrich Händel, Enrique Crespo, Derek Bourgeois, Saskia Apon e Daniel Schnyder

HOMENAGEADOS

Chileno radicado há mais de 40 anos no Brasil, o violinista, professor, regente e diretor artístico do Virtuosi, Rafael Fernando Garcia, diz que – além de celebrar os 200 anos do nascimento de Franz Lizt e o centenário da morte de Gustav Mahler – o festival tem intenção mostrar ao público a riqueza e as qualidades musicais dos dois compositores.

“Franz Lizst foi o primeiro grande solista a tocar de cor, ou seja, sem partitura. E suas obras são dificílimas. Elas são caracterizadas pelo virtuosismo e por serem bastante sentimentais. Mas não sentimen-talóides”, reforça Rafael Garcia.

Para interpretar as desafiantes composições pianísticas de Lizst, foram convidados três pianistas estrangeiros: o russo Peter Laul, o filipino Victor Asuncion e Jihye Chang, da Coreia.

Sobre Mahler, ele destaca a beleza melancólica das suas criações, característica bastante presente em praticamente toda a obra do artista. “Mesmo quando alegre, Gustav Mahler compunha obras que nos soam tristes. E quando ele estava desolado, o resultado era ainda mais profundo. Em certo concerto da Filarmônica de Berlim, alguns músicos da orquestra chegaram a chorar quando interpretaram músicas dele”, relata Garcia.

A programação do Virtuosi será retomada na terça-feira, prosseguindo até o domingo.