I Virtuosi Gravatá – Despedida

Depois de uma semana de grandes concertos, o I Festival Virtuosi se despede de uma Gravatá emocionada com chave de ouro. A Orquestra do evento encantou, mais uma vez o público presente na Igreja de Sant’Ana, com a execução de obras de Weber, Dopler e Haydn. O fim de tarde contou com os solistas Alexandre Hazera (viola), Hrant Parsamanian (violoncelo), Rogério Woof e Nicole Espósito (flauta) e Catalin Rotaru (contrabaixo). Como bis, a orquestra tocou um divertimento de Mozart.

O I Festival Virtuosi de Gravatá encerrou sua série de concertos com o Hino Nacional, tocado pela orquestra e cantado pelo público, os dois regidos pelo maestro Rafael Garcia e acompanhado pelo maracatu do Grupo de Apoio aos Meninos de Rua (GAMR), sendo uma das alfaias tocadas por Catalin Rotaru.

Catalin Rotaru é destaque no Virtuosi Gravatá

O contrabaixista Catalin Rotaru foi o grande destaque do concerto da manhã de sábado, 11/07, da Igreja Matriz de Sant`Ana que estava mais uma vez lotada para receber o Festival Virtuosi de Gravatá. Com seu grave – e grande – instrumento, ele encantou a todos tocando peças para feitas originalmente para violino como o Capricho 24 de Pagannini. Em seguida, o violinista Benjamin Sung tocou a dificílima Cigana, peça para violino e piano de Ravel, acompanhado pelo pianista Victor Assunción. O viloncelista Hrant Parsamanian tocou a Ária Cigana, de Sarasate, acompanhado também pelo pianista Victor Assunción, que apresentou a última obra do concerto, a Valsa Mefisto de Lizst.

Vivaldi e Piazzolla na quarta noite do Virtuosi Gravatá

As famosas Quatro Estações do italiano Antonio Vivaldi, intercaladas com as Quatro Estações portenhas do argentino Astor Piazzolla foram as atrações da noite de sexta-feira (10/07) do I Virtuosi de Gravatá. Executadas pelo violinista Benjamin Sung acompanhado da Orquestra Virtuosi, sob a batuta do maestro Rafael Garcia, as estações emocionaram a platéia que superlotou, mais uma vez, a Igreja Matriz de Sant`Ana. Prestigiaram o quarto dia do festival, o Prefeito de Gravatá Osano Brito, a deputada Teresinha Nunes e o ex-governador Gustavo Krause.

Victor Asuncion emociona Gravatá

O brilhantismo do pianista filipino Victor Asuncion emocionou o público de Gravatá que, mais uma vez, lotou a Igreja Matriz de Sant’Ana para prestigiar a terceira noite do Virtuosi na cidade. O virtuosismo do pianista foi aplaudido diversas vezes por uma platéia emocionada. No repertório, o músico apresentou peças do compositor alemão Robert Schumann e do russo Modest Petrovich Mussorgsky. Confira a galeria com as fotos de Flora Pimentel:

Segunda noite do Virtuosi de Gravatá

O quarteto de cordas formado por Benjamin Sung (violino), Alexandre Razera (viola), Hrant Parsamian (violoncelo) e Leopoldo Nogueira (violino) abriram a segunda noite do I Festival Virtuosi de Gravatá. Acompanhado pela Orquestra Virtuosi, sob a regência do maestro Rafael Garcia, o quarteto apresentou a Introdução e Allegro de Edward Elgar. Em seguida, a Igreja Matriz de Sant’Ana recebeu a principal atração do evento: o gênio do violoncelo Antonio Meneses que emocionou a todos com o Concerto para Violoncelo de Clóvis Pereira. A noite contou com a presença do compositor, que foi amplamente aplaudido pela platéia que lotou novamente a Igreja Matriz de Sant’Ana. Meneses tocou, também, uma das obras mais famosas do repertório de violoncelo, o Concerto de Violoncelo de Joseph Hadyn.

Emoção marca a primeira noite do Virtuosi Gravatá

Uma noite espetacular com gênios da música de concerto. Assim foi a primeira noite do I Festival Virtuosi de Gravatá que foi recebido de braços abertos pelo público da cidade que lotou a Igreja Matriz de Sant’Ana, nesta última terça-feira, 07 de julho. Sob a regência do maestro Rafael Garcia, a Orquestra do evento abriu a série de concertos com o hino nacional cantado com muita emoção pelo público presente. Em seguida, a genialidade e a performance emocionada do maestro João Carlos Martins regeu a Orquestra Virtuosi que apresentou peças de Bach. O grande momento da noite foi quando João Carlos Martins sentou ao piano e tocou Tom Jobim e mais Bach.

I Festival Virtuosi de Gravatá

jcmartins2

O maestro João Carlos Martins irá reger a Orquestra Virtuosi de Gravatá

A Prefeitura de Gravatá leva à Igreja Matriz de Sant’Ana um dos principais eventos de música de concerto do Brasil. O I Festival VIRTUOSI de Gravatá apresenta performances memoráveis com gênios da música de concerto. Na programação nomes como o do maestro e pianista João Carlos Martins, o violoncelista Antônio Meneses, o flautista Rogério Wolf, o pianista Victor Asuncion, entre vários outros. Produzido pela pianista Ana Lúcia Altino, sob direção artística do maestro Rafael Garcia, o festival acontece durante uma semana, de 07 a 12 de julho, e é aberto ao público.

O concerto de abertura conta com a genialidade e a performance sempre emocionante do maestro João Carlos Martins, 69 anos, que após um nervo rompido na mão direita e do avanço da doença LER, foi obrigado a deixar o piano e passou a se dedicar a regência. Incapaz de segurar a batuta ou virar as páginas das partituras, João Carlos faz um trabalho minucioso de memorizar nota por nota, demonstrando ainda mais seu perfeccionismo e dedicação ao mundo da música. No dia 07 de julho, às 19h, o público presente poderá conferir João Carlos Martins à frente da Orquestra Virtuosi de Gravatá montada especialmente para o festival.

Especialista em Johann Sebastian Bach, João Carlos Martins rege duas peças do compositor. Como solistas destacam-se o flautista Rogério Wolf, considerado um dos mais importantes do país, e o violinista Benjamin Sung, spalla da Orquestra Sinfônica de Fargo-Moorhead e professor das Universidades estaduais de Minnesota e North como o solista da noite. Ainda na noite de abertura, Gravatá tem o privilégio de receber pela primeira vez no Estado o violista Alexandre Razera, dono de um currículo riquíssimo chegando a gravar com a Filarmônica de Berlim, e o violoncelista búlgaro Hrant Parsamian, colecionador de prêmios de importantes da música de concerto pelo mundo.

A obra de Bach volta no segundo dia seguida pelo Concertino para violoncelo e orquestra de cordas do compositor pernambucano Clóvis Pereira dedicado ao também pernambucano Antônio Meneses, o mais célebre violoncelista que o Brasil já teve e um dos convidados mais especiais do I Festival VIRTUOSI de Gravatá. Fechando a programação da segunda noite, peças do austríaco Joseph Haydn, um dos compositores mais importantes do período clássico. O repertório será executado pela Orquestra Virtuosi de Gravatá, sob a regência do maestro Chileno Rafael Garcia que além de Antônio Meneses como solista conta também com o violinista Benjamin Sung e os flautistas Rogério Wolf e Nicole Esposito, Flauta da Ohio Light Opera que se apresenta pela primeira vez em Pernambuco. O concerto tem início às 19h.

No dia 09 de julho, às 19h, a Igreja Matriz de Sant’Ana recebe uma estrela do piano. Conhecido e admirado pelo público recifense, tendo participado de edições passadas do Virtuosi no Teatro de Santa Isabel, o brilhantismo do pianista filipino Victor Asuncion volta a Pernambuco para recital de peças do compositor alemão Robert Schumann e do compositor russo Modest Petrovich Mussorgsky. O dia , também às 19h, traz uma programação com obras clássicas e imortalizadas de Astor Piazzolla e Antonio Vivaldi executadas pela Orquestra Virtuosi de Gravatá, mais uma vez sob a regência do maestro Rafael Garcia, com a participação do violinista Benjamin Sung.

Os concertos do final de semana, 11 e 12 de julho, começam a partir das 11h e não mais às 19h como nos fins de semana. Para a manhã de sábado, O I VIRTUOSI DE GRAVATÁ montou um quarteto de cordas e convidou o virtuosíssimo piano de Victor Asuncion para celebrar a obra de Joseph Haydn que, neste ano, está sendo comemorado em todo mundo. 2009 marca os 200 anos da morte do músico e, por este motivo, os produtores do evento resolveram destacar o compositor austríaco na programação com mais de um dia homenageando sua obra e o sábado do festival será dedicado apenas a ele com a execução de três peças sendo a primeira uma sonata para piano, a segunda para trio de piano, violino e violoncelo e, finalmente, quarteto de cordas.

No domingo, o festival apresenta uma programação diversificada com peças de Mozart, Delibes, Schocker, Enesco, Guarnieri, Fauré e Demersseman. As obras serão executadas em um recital de flautas por Nicole Esposito e Rogério Wolf tendo ao piano Victor Asuncion. Às 17h do domingo, 12 de julho, a Igreja Matriz de Sant’Ana se despede da primeira edição do VIRTUOSI DE GRAVATÁ com clássicos da música de concerto. O concerto de encerramento traz uma programação especial contando mais uma vez com a Orquestra Virtuosi de Gravatá, sob a batuta do maestro Rafael Garcia. Peças de Bach, Mozart e Haydn voltam a serem executadas e obras de Bottesini e Doppler fecham o repertório do evento.

Para a primeira visita do VIRTUOSI em Gravatá, a produtora Ana Lúcio Altino e o maestro Rafael Garcia montaram uma programação rica com convidados que fazem parte da primeira linha dos músicos de concerto do mundo. Será um momento histórico para a cidade e que, com certeza, ficará na memória de todos que comparecerem.

SERVIÇO:

I FESTIVAL VIRTUOSI DE GRAVATÁ
Rafael Garcia, diretor artístico
Igreja Matriz de Sant’Ana07, 08, 09 e 10 de Julho – 19h
11 e 12 de Julho – 11h
Concerto de Encerramento – 12 de julho – 17h.
Entrada Franca

I Virtuosi Gravatá – Programação

07|07 CONCERTO DE ABERTURA JOÃO CARLOS MARTINS 19h

W.A.MOZART [1756-1791]

Divertimento nº 1 em si bemol maior,

J.S.BACH [1685-1750]

Suíte nº 2 em si menor, BWV 1067

Rogério Wolf

II

J.S.BACH [1685-1750]

Ária da Suite nº 3 para piano e orquestra de cordas

JOÃO CARLOS MARTINS, piano

T. JOBIM [1927-1994]

Insensatez (piano e orquestra de cordas)

Luiza (piano solo)

B. POWELL[1937]

Samba em Prelúdio (piano, viola e cordas)

ALEXANDRE RAZERA, viola

T. JOBIM [1927-1994]

Eu sei que vou te amar (piano, cello e cordas)

HRANT PARSAMIAN, cello

BACH/GOUNOD

Ave Maria (piano e violino solo)

BENJAMIN SUNG, violino

ORQUESTRA VIRTUOSI DE GRAVATÁ

JOÃO CARLOS MARTINS, regente

  • 08|07 ANTONIO MENESES 19h

E. ELGAR [1857-1934]

Introdução e Allegro Op.34

C. PEREIRA [1932]

Concertino para cello e orquestra de cordas em sol maior

J.HAYDN [1732-1809]

Concerto nº1 em Dó maior, Hob VIIb/1

ORQUESTRA VIRTUOSI DE GRAVATÁ

RAFAEL GARCIA, regente

  • 09|07 RECITAL DE PIANO VICTOR ASUNCION 19h

R. SCHUMANN [1810-1856]

Carnaval Op. 9

M. MUSSORGSKY[1839-1891]

Quadros de uma Exposição

  • 10|07 AS 4 ESTAÇÕES DE VIVALDI & PIAZZOLLA 19h

A. VIVALDI [1678 – 1741]

Concerto nº 1 em mi maior Op. 8, A Primavera

A. PIAZZOLLA [1921-1992]

Verano Porteño

A. VIVALDI [1678 – 1741]

Concerto nº 2 em sol menor, Op.8, O Verão

A. PIAZZOLLA [1921-1992]

Outono Porteño

A. VIVALDI [1678 – 1741]

Concerto nº 3 em fá maior Op.8, O Outono

A. PIAZZOLLA [1921-1992]

Inverno Porteño

A. VIVALDI [1678 – 1741]

Concerto nº 4 em fá menor Op.8, O Inverno

A. PIAZZOLLA [1921-1992]

Primavera Porteña

BENJAMIN SUNG, violino

ORQUESTRA VIRTUOSI DE GRAVATÁ

RAFAEL GARCIA, regente

  • 11|07 UM PROGRAMA VIRTUOSO 11h

HANDEL/HALVORSEN

Passacaglia para violino e viola

G. BOTTESINI [1821-1889]

Elegia em ré maior

Tarantella em lá menor

N. PAGANINI [1782-1840]

Caprice n. 24 em lá menor

M. RAVEL [1875-1837]

Tzigane para violino e piano

P. SARASATE [1844-1908]

Zigeunerweisen para cello e piano

F. CHOPIN [1810-1849]

Polonaise Brillante Op. 3

F. LISZT [1811-1886]

Mephisto Waltz

BENJAMIN SUNG, violino

ALEXANDRE RAZERA, viola

HRANT PARSAMIAN, cello

CATALIN ROTARU, baixo

VICTOR ASUNCION, piano

12|07 NICOLE ESPOSITO & ROGÉRIO WOLF 11h

RECITAL DE FLAUTA

L. DELIBES [1836-1891]

Flower Duet from “Lakmé” Para duas flautas e piano

G. SCHOCKER [1959]

Two Flutes (on the loose) in Fujian para duas flautas e piano

G. FAURÉ [1845-1924]

Fantaisie para flauta e piano

W.A.MOZART [1756-1791]

Two Duos from “The Magic Flute” para duas flautas

G. ENESCO [1881-1955]

Cantabile e Presto para flauta e piano

C.GUARNIERI [1907-1993]

Duo for two flutes

J.DEMERSSEMAN [1829-1868]

Guillaume Tell Duo Brilliant para duas flautas e piano

  • 12|07 CONCERTO DE ENCERRAMENTO 17h

C.M von WEBER [1786-1826]

Andante e Rondo Ungarese para viola e orquestra

ALEXANDRE RAZERA, viola

J.HAYDN [1732-1809]

Concerto nº 2 em ré maior para cello e orquestra, HobVIIb/2

HRANT PARSAMIAN, cello

F. DOPPLER [1821- 1883]

Andante e Rondo para duas flautas e orquestra de cordas Op.25

NICOLE ESPOSITO & ROGÉRIO WOLF, flautas

J.HAYDN [1732-1809]

Concerto nº1 em Dó maior, Hob VIIb/1

CATALIN ROTARU, contrabaixo

ORQUESTRA VIRTUOSI DE GRAVATÁ

RAFAEL GARCIA, regente

I Virtuosi Gravatá – Artístas convidados

ALEXANDRE RAZERA | viola

Nascido em São Paulo, iniciou seus estudos musicais na Escola de Música de Piracicaba. Bolsista da Fundação Vitae estudou na Academia da Orquestra Filarmônica de Berlim (Karajan Stiftung). No período em que esteve como bolsista foi orientado por Wilfried Strehle, além de ter tido a oportunidade de realizar concertos, turnês e gravações junto a Filarmônica de Berlim sob a regência de maestros como Cláudio Abbado, Simon Rattle, Daniel Baremboim, Lorin Maazel, Kurt Masur, Nikolaus Hornoncourt, Trevor Pinock, Gunter Wand, entre outros. Realizou concertos, gravações e turnês junto a várias orquestras européias como: Filarmônica de Berlim, Orquestra da Rádio de Berlim, Orquestra de Câmera de Berlim, Orquestra da Ópera de Berlim (Deutsche Oper), Mahler Chamber Orchestra , Orquestra da Rádio de Ljubljana, entre outras. Foi professor no Festival Eleazar de Carvalho, realizado em Fortaleza e Campos do Jordão.

ANTONIO MENESES | violoncelo

Nascido em Recife, começou a estudar violoncelo aos 10 anos de idade. Aos 16 anos conheceu o famoso violoncelista italiano Antonio Janigro que o convidou a freqüentar as suas aulas em Düsseldorf e mais tarde em Stuttgart. Recebeu a medalha de ouro no Concurso Internacional Tchaikovsky de Violoncelo aos 24 anos, em 1982. Em 1977 ganhou o Prêmio Internacional da Televisão de Munique, que não era concedido havia 20 anos. Foi convidado por Herbert von Karajan para tocar o Concerto Duplo de Brahms ao lado da violinista Anne-Sophie Mutter. Antonio Meneses se apresenta regularmente com as mais importantes orquestras do mundo e participa de importantes festivais como Casals, Salzburg, Lucerna, Viena, entre outros. Foi membro do Beaux Arts Trio e tem gravações com a Deutsche Grammophon e Audivis. A partir de outubro de 2007 Meneses assumiu uma posicão de professor de violoncelo no Consevatório de Berna, Suíça. Antonio Meneses toca um violoncelo de ALESSANDRO GAGLIANO feito em Nápoles ca. 1730.

BENJAMIN SUNG | violino

Fundador e diretor do ClefWorks Music Festival, é atualmente Spalla da Orquestra Sinfônica de Fargo-Moorhead e professor das Universidades estaduais de Minnesota e North Dakota. É também diretor artístico da Série de concertos Cheryl Nelson Lossett Performing Arts. Recentemente foi Spalla convidado da Trondheim Symphony Orchestra, Noruega e foi solista e professor no Festival de Garanhuns, Brasil assim como foi escolhido como membro do Arsenal Trio para participar do Chamber Music Residency no Banff Centre for the Arts. Tem se apresentado regularmente com várias orquestras sinfônicas americanas e é artista convidado do festival Virtuosi em Recife. Bacharel em Música pela Eastman School of Music onde estudou com Oleh Krysa, recebeu o diploma de Doutor na Universidade de Indiana.

CATALIN ROTARU | contrabaixo

Natural da Romênia, Catalin é professor da Escola de Música da Arizona State University desde 2005. Formado pela Universidade de Música de Bucarest, é mestre pela Universidade de Illinois pela Champaign-Urbana. Foi professor da Universidade de Wisconsin. Tem se apresentado na Europa, Estados Unidos América do Sul e Japão. Foi principal da Orquestra da Radio Nacional da România, da Sibiu Filarmônica, Virtuosi Chamber Orchestra de Bucarest, Danville Symphony entre outras. Premiado pelo International Society of Bassists Competition, venceu o Krannert Center for the Performing Arts Debut Recital Award em 1997.

HRANT PARSAMIAN | violocenlo

Vencedor dos concursos internacionais Houston Symphony Ima Hogg, Olga Koussevitzky, HAMS, Hudson Valley e Carlos Prieto Cello Competition, México, Hrant Parsamian nasceu na Bulgária, formou-se pela Academia Superior de Música de Viena e recebeu o diploma de Mestre pela Yale University. Tem se apresentado como camerista nas grandes salas de concerto dos Estados Unidos e Canadá. Tem colaborado com artistas tais como Hans Graf, Carlos Prieto, Vladimir Ashkenazy, Zakhar Bron, Natalya Shakhovskaya, Franz Helmerson, Richard Watkins, e Hansjorg Schellenberger.

JOÃO CARLOS MARTINS | regente

João Carlos Martins em 1982 foi tema de uma reportagem de segunda página inteira do The New York Times, tendo diversas vezes recebido artigos de fins de semana deste mesmo jornal. Também foi capa do Washington Post, levando a música clássica para as primeiras páginas dos jornais nos EUA, enchendo de orgulho o nosso País. Ele teve sua vida registrada em dois documentários europeus vencedores de festivais internacionais. Hoje continua levando a sua arte à todos aqueles que tenham oportunidade de ouvi-lo, assumindo a sua responsabilidade social no Brasil. Após uma carreira meteórica como pianista com mais de mil apresentações no exterior, deixou como legado a gravação completa da obra de J.S.Bach para teclado. Considerado um de seus maiores interpretes do século XX – apesar das inúmeras adversidades, acabou por abandonar o piano definitivamente no ano de 2003. Em 2004 iniciou uma nova carreira aos 63 anos como maestro, transformando-se no músico clássico brasileiro mais requisitado pelo Brasil afora, seja com a sua Bachiana Filarmônica ou com a sua Bachiana Jovem. No ano de 2008, que incluiu um histórico concerto no Carnegie Hall de Nova York para 2.800 pessoas, se apresentou inúmeras vezes nos principais teatros nacionais, e levou a música clássica para 350 mil brasileiros em recintos fechados e para de mais um milhão em concertos públicos ao ar livre. O seu trabalho social de musicalização para crianças, ao lado da Fundação Bachiana, está sendo reconhecido não só no Brasil como também no exterior, e sua determinação e poder de superação são exemplos para todos. Esse é João Carlos Martins, que costuma dizer: “Esses são os primeiros passos de um projeto que fará a diferença para a nossa juventude”.

NICOLE ESPOSITO | flauta

Flautista carismática e versatil, Nicole Esposito é Professor Assistente de Flauta da Universidade de Iowa, EU. Participou de grandes festivais internacionais como Piccolo Spoleto Festival, Interlochen Arts Academy, Detroit Institute for the Arts, Musikhochschule- Wuppertal e North American Cultural Center of Costa Rica. Esposito tem se apresentado em numerosas convenções de flautistas incluindo as de Orlando, Washington DC, Nashville, San Diego, e Pittsburgh assim como conferências regionais incluindo Florida Flute Fair, Madison Flute Festival e Iowa Flute Festival.Como flautista de orquestra tem tocado com vários maestros importantes tais como James Conlon, David Zinman, Gunther Schuller, Robert Spano, Micheal Stern, David Robertson, James DePreist, Anne Manson, Lawrence Foster, Leif Segerstam e Andrew Litton. Principal Flauta da Dubuque Symphony Orchestra, Esposito tem também exercido o cargo de Principal Flauta da Ohio Light Opera, participando de 3 gravações (Albany Records).

ROGÉRIO WOLF | flauta

Após mais de 25 anos como primeira flauta das melhores orquestras do país como OSESP e OSB atualmente dedica-se a concertos como solista e camerista e é presidente da Associação Brasileira de Flautistas-ABRAF. Professor na Escola Superior de Música da Faculdade Cantareira – SP, Escola Municipal de Música de São Paulo e Instituto Baccarelli. É integrante do Núcleo Hespérides – Música das Américas. Desde 2005 é convidado a participar no Festival Virtuosi em Recife, PE onde teve oportunidade de participar em concerto com Antonio Menezes, tocando a peça Assobio a Jato de Villa Lobos. Em 2000 participou da Convenção da Associação Americana de Flauta em Columbus, OH – EUA, em dois concertos, onde tocou a primeira audição norte-americana do concerto para duas flautas e cordas de Ernst Widmer. Já atuou como solista nas principais orquestras do Brasil.

VICTOR ASUNCION | piano

Natural de Filipinas tem se apresentado em grandes salas de concerto de vários países como Canadá, Japão, México e Filipinas. Fez sua estréia aos 18 anos com a Manila Chamber Orchestra e seu primeiro recital em New York em 1999. Como pianista tem se apresentado sob a direção de Harold Farberman, Corrick Brown, Arthur Weisberg, Zev Dorman, Enrique Batiz, Bobby McFerrin, James Conlon e James Judd. Um entusiasta da música de câmara tem colaborado com artistas como Lynn Harrell, Cho-Liang Lin, , Andres Diaz, Emerson String Quartet entre outros. É frequentemente convidado para participar de festivais como Amelia Island Chamber Music Festival, Santa Fe Chamber Music Festival, e Garth Newel Chamber Music Festival. Faz parte do corpo docente do Aspen Music Festival and School. É professor assistente de piano e música de câmara da Universidade de Memphis desde 2004.