Reconhecendo a música erudita, Recife recebe 1º Virtuosi do ano (G1 Pernambuco)

A capital do frevo, maracatu, caboclinho e de tantos outros ritmos regionais está se rendendo, de vez, à música erudita. Já fazendo parte do calendário de eventos musicais do Recife, nesta quinta-feira (17) se inicia o primeiro evento do ano com o selo “Virtuosi”, no Centro Cultural Correios, localizado no bairro que carrega o nome da cidade. A 8° edição do Virtuosi Brasil se estende até o domingo (20), homenageando o maestro e compositor pernambucano Clóvis Pereira, que, este ano, celebra o 80º aniversário, e traz artistas consagrados no cenário musical brasileiro.

A última edição do Virtuosi aconteceu em dezembro de 2011, quando encheu de música clássica as igrejas históricas de Olinda, o Teatro de Santa Isabel, no Recife, e até a capital paraibana, João Pessoa. Menos de cinco meses depois, os recifenses têm mais uma oportunidade de conhecer e admirar os concertos de músicos consagrados. Está certo que a frequência de eventos dedicados à música clássica na cidade não é a mesma do que a de outros ritmos, mas eles vêm ganhando o seu espaço. Em Pernambuco, o Virtuosi quer fazer até mais seis eventos durante todo o ano.

“O Virtuosi que aconteceu em dezembro já acontece há quinze anos. Ele foi se desdobrando e vimos que a gente podia ter mais programação, durante todo o ano. Sempre houve público no Recife; a dificuldade era conseguir organizar. Mas, se consigo fazer cinco, seis eventos durante o ano, quer dizer que você está tendo apoio, público, mídia. Significa que existe uma sensibilidade para essa música no Recife”, contou Ana Lúcia Altino, pianista e idealizadora do Virtuosi. Os outros eventos com o selo que devem acontecer durante este ano são: um em Gravatá; outro dentro da programação do Festival de Inverno de Garanhuns (FIG); o Virtuosi Internacional, no Recife e em Olinda, e o Virtuosi do Século 21, que deve trazer produções mais contemporâneas ao público pernambucano. Um sexto projeto ainda estaria aguardando resposta de editais.

No Virtuosi que se inicia nesta quarta, a intenção é trazer concertos de artistas brasileiros que já tenham um nome forte no cenário da música erudita nacional. A abertura do festival fica sob responsabilidade da cravista Rosana Lanzelotte, que apresenta o programa “O Cravo Brasileiro e suas raízes portuguesas”, mostrando a influência da arte europeia na história da música produzida no Brasil. De acordo com Altino, Lanzelotte pode ser considerada a maior especialista em cravo no país. “Ela tem uma programação corajosa, com obras antigas e suas influências contemporâneas”, disse.

Na programação do festival, haverá ainda a apresentação do grupo Solistas da Camerata Aberta, da Escola de Música do Estado de São Paulo, que se dedica ao repertório musical dos séculos XX e XXI. “A nossa programação não tem um foco, se é contemporâneo ou antigo, fazemos de tudo. O cravo vai trazer músicas mais antigas, já a Camerata é dedicada a uma música contemporânea”, exlpicou Altino. O grupo tem entre seus integrantes alguns dos músicos considerados mais atuantes na cena erudita nacional.

O violão e o violino também irão se encontrar no Virtuosi Brasil. O dueto entre o violinista Daniel Guedes e o violonista Mário Ulloa, amigos de longa data, já resultou na gravação de um CD com um repertório genuinamente brasileiro. O álbum junta obras de compositores como Chico Buarque, Edu Lobo, João Bosco, Dorival Caymmi, Cartola, Ary Barroso, Tom Jobim e Vinícius de Moraes. A apresentação vai poder ser conferida no domingo (20).

A grande homenagem a Clóvis Pereira acontece na sexta-feira (18). A Orquestra Jovem de Pernambuco, sob regência do maestro Rafael Garcia e com a presença de Daniel Guedes, é quem presta a reverência. Além da obra do caruaruense radicado no Recife, haverá, no repertório, composições de Radamés Gnatalli e Tchaikowsky. “Alem de ser amigo de muitos e muitos anos, ele [Pereira] é grande nome da composição e merece homenagens. A decisão foi bem fácil”, contou Ana Lúcia Altino. Toda a programação é gratuita, começando sempre às 19h, com exceção do domingo, quando a apresentação começa às 17h. A quantidade de lugares na sala do Centro Cultural Correios é limitada.

Confira, abaixo, a programação:

Quinta-feira (17)
19h – “Cravo brasileiro e suas raízes portuguesas”, com Rosana Lanzelotte – cravoJoão de
presente a síncope característica, marca registrada da música genuinamente brasileira.

Sexta-feira (18)
19h – Solistas da Camerata Aberta

Sábado (19)
19h – Orquestra Jovem de Pernambuco, Daniel Guedes e Rafael Garcia homenageiam o maestro Clóvis Pereira

Domingo (20)
17h – Mario Ulloa e Daniel Guedes – Violão e violino na música popular brasileira

Serviço
8° Virtuosi Brasil

Centro Cultural Correios, Avenida Marquês de Olinda, Bairro do Recife
De 17 a 21 de maio
Entrada gratuita

Cravista antenada com o futuro (Diário de Pernambuco)

Se é difícil viver de música no Brasil, pode-se dizer que é quase impossível viver de tocar cravo. O instrumento, que passou o século 19 na obscuridade, foi retomado em meados no século seguinte, mas permanece como patinho feio no rol musical. A cravista Rosana Lanzelotte, uma das principais do país, confessa que nenhum dos colegas de profissão vive exclusivamente dos concertos. “Todos os meus amigos têm também carreira acadêmica. Roberto de Regina foi o que mais viveu disso”, compara, citando o responsável pelo renascimento no Brasil, na década de 1960.

Para quem nunca viu um concerto de cravo, uma boa chance é a abertura do 8º Virtuosi Brasil, hoje, no Centro Cultural dos Correios, às 19h, com entrada gratuita. Rosana mostra a influência da música europeia do século 18 sobre os ritmos brasileiros, no concerto O cravo e suas raízes portuguesas. O programa faz parte de longa pesquisa, iniciada quando ela trocou o piano pelo cravo, aos 20 anos. “Achei que aquele era o meu instrumento. O cravo tem um aspecto que requer também pesquisa, arqueologia. Tenho um pouco o vírus de pesquisadora”, diz.

O primeiro obstáculo é simplesmente conseguir o instrumento para tocar. No Recife, por exemplo, há somente dois exemplares acessíveis, na Universidade Federal de Pernambuco e no Conservatório Pernambucano de Música. Por outro lado, o piano, seu principal concorrente, é encontrado com facilidade até em casas.

Engana-se, entretanto, quem pensa que o cravo é “coisa do passado”. As principais composições para o cravo são barrocas. Mas isso é influenciado pela sua popularidade nos séculos 18 e 19, não pelo seu som. “O cravo soa mais moderno e brasileiro porque tem linguagem rítmica semelhante com violão e cavaquinho”, explica Rosana. A segunda dificuldade engloba toda a produção musical brasileira: a ausência de partituras.

O projeto Musica Brasilis é a estratégia de Rosana para enfrentar a dificuldade de acesso a composições brasileiras. Ela, que é doutora em informática e mestra em música, uniu os dois conhecimentos para desenvolver o projeto. O portal na internet reúne partituras, áudios, vídeos e recursos interativos da produção musical brasileira antiga e contemporânea.

Mesmo as peças de Villa-Lobos, de acordo com a pesquisadora, estão somente 50% disponíveis. Quando se trata dos menos conhecidos, a situação é ainda pior. “No Recife, nasceu Luiz Álvares Pinto, um dos principais nomes do século 18, possivelmente o maior. Mas ele é pouco conhecido”, exemplifica Rosana. Ela conta ainda que em 2005, ano do Brasil na França, autoridades francesas queriam apresentar nossos compositores. A ideia esbarrou na falta de acesso às peças.

Para ela, é também a falta de acesso que faz com que a música clássica não chegue à população. “A gente tem essa coisa de que a música popular é de tão boa qualidade que é só o que conta. Mas  Tom Jobim e Edu Lobo tiveram a música clássica em sua formação”, conta. Rosana tenta combater esse preconceito nos concertos. E tem dado certo. (Luiza Maia)

Agende-se

17/05 (19h)
Rosana Lanzelotte – O cravo brasileiro e suas raízes portuguesas

18/05 (19h)
Solistas da Camerata Aberta
Cássia Carrascoza (flauta)
Luis Afonso Montanha (clarinete/clarone)
Fabio Cury (fagote)
Herivelto Brandino (percussão)
Martin Tuksa (violino)

19/05 (19h)
Orquestra Jovem de Pernambuco, sob regência do maestro Rafael Garcia. Solista: Daniel Guedes

20/05 (17h)
Mario Ulloa & Daniel Guedes – Violão e violino na música popular brasileira


Serviço
Centro Cultural dos Correios Onde: Avenida Marquês de Olinda, 262, Bairro do Recife
Quanto: Entrada franca
Informações: 3224-5739

VIII Virtuosi Brasil abre espaço para a música popular brasileira (NE 10)

A oitava edição do Virtuosi Brasil, que começa nesta quinta-feira (17) e segue até o próximo domingo (20), no Centro Cultural dos Correios, mantém forte o propósito do festival de prestigiar intérpretes e compositores da música nacional de concerto e, ainda, inova ao dar espaço em sua programação para a música popular brasileira.

“Reservamos o último dia para a apresentação do duo entre os violonistas Daniel Guedes e Mario Ulloa, que vão mostrar ao público o programa “O violino e o violão na música popular brasileira”, explica Ana Lúcia Altino, idealizadora do festival juntamente com o maestro Rafael Garcia, que assina a direção artística.

Ana Lúcia contou ainda que este ano o festival prestará uma homenagem aos 80 anos do compositor pernambucano Clóvis Pereira, cujas peças serão apresentadas pela Orquestra Jovem de Pernambuco. “Esta é uma homenagem mais do que justa. A apresentação será no sábado e estamos preparando algumas surpresas”, disse.

O erudito também estará bem representado nos três primeiros dias de evento. A cravista Rosana Lanzelotte, que apresenta nesta quinta (17) o programa “O cravo brasileiro e suas raízes portuguesas”, é um dos destaques. “Ela é pioneira na gravação de obras de compositores brasileiros ao cravo, inclusive vem influenciando novos músicos a compor para o instrumento”, contou Ana Lúcia Altino. A cravista apresenta um programa que mostra a influência da música europeia do séc. XVIII sobre os ritmos de nossa música.

Na sexta (18), o público irá conferir a apresentação do grupo Solistas da Camerata Aberta. Os músicos são integrantes da Escola de Música do Estado de São Paulo,  e se dedicam ao repertório musical dos séculos XX e XXI. Formam a Camerata Aberta a flautista Cassia Carrascoza, o clarinetista Luís Afonso Montanha, o fagotista Fábio Cury, o percussionista Herivelto Brandino e o violinista Martin Tuksa.

O violinista carioca Daniel Guedes inicia sua participação no VIII Vistuosi Brasil no sábado (19), com a Orquestra Jovem de Pernambuco, sob a regência do maestro Rafael Garcia. No programa, obras de Clóvis Pereira (homenageado deste ano), Radamés Gnatalli e Tchaikowsky. Daniel Guedes é considerado um dos mais importantes e versáteis músicos brasileiros de sua geração, atuando como violinista, violista, camerista, professor e regente.

No último dia do festival, no domingo (20), Daniel Gudes sobe novamente ao palco para o duo com Mario Ulloa. A amizade construída entre os dois no Festival de Música de Santa Catarina, onde ambos são professores, resultou na gravação de um CD com repertório integralmente brasileiro. O que começou com saraus improvisados em bares e restaurantes após os concertos no Festival se transformou hoje em um CD com obras de Chico Buarque, Edu Lobo, João Bosco, Dorival Caymmi, Cartola, Ary Barroso, Tom Jobim, Vinícius de Moraes e Dudu Falcão, entre outros compositores.

O VIII Virtuosi Brasil é aberto ao público e terá início às 19h, com exceção do domingo, cuja abertura está marcada para às 17h.

AULAS – Dentro da programação do festival, serão promovidos, nestas quinta (17) e sexta 18), concertos-aula gratuitos abertos para jovens estudantes da rede pública de ensino, organizações sociais, entre outros interessados. Para participar, os interessados devem entrar em contato com o Centro Cultural Correios Recife por meio do telefone 81  – 3363.0138

Programação do VIII Virtuosi:

» Quinta (17)- Cravista Rosana Lanzelotte – programa “O cravo brasileiro e suas raízes portuguesas”.

» Sexta (18) – Grupo solistas da Camerata Aberta – repertório contempla músicas dos séculos XX e XXI.

» Sábado (19) – Orquestra Jovem de Pernambuco, sob a regência do maestro Rafael Garcia, com o violinista carioca Daniel Guedes.

» Domingo (20) – Duo entre Daniel Guedes e o Mario Ulloa – programa “O violino e o violão na música popular brasileira”.

Virtuosi homenageia Clóvis Pereira (Revista Continente)

Escrito por Carlos Eduardo Amaral

A oitava edição do Virtuosi Brasil, que acontece entre os dias 17 e 20 de maio no Centro Cultural Correios, presta tributo ao maestro Clóvis Pereira pelo seu aniversário de 80 anos. O músico caruaruense – que já foi contrabaixista da Orquestra Sinfônica do Recife, arranjador de frevo e compositor ligado ao Movimento Armorial – detém o privilégio de ser um dos poucos compositores de música contemporânea a possuir a maior parte de seu catálogo de obras gravada em CD.

Para o concerto de abertura do evento, na quinta 17, foi convidada a cravista Rosana Lanzelotte, uma das principais pesquisadoras de repertório para cravo na América Latina. No recital intitulado O cravo brasileiro e suas raízes portuguesas, a intérprete executará obras de compositores dos dois países lusófonos desde o séc. XVIII, como Pedro Avondano, Ernesto Nazareth e David Korenchendler, registradas no álbum O cravo brasileiro.

No segundo dia, 18, sob regência de Sergio Kafejian, será a vez dos Solistas da Camerata Aberta. Formado pro professores ligados à Emesp Tom Jobim, de São Paulo, o grupo formado por violino (Martin Tuksa), flauta (Cássia Carrascoza), clarineta/clarone (Luís Afonso Montanha), fagote (Fábio Cury) e percussão (Herivelto Brandino) apresentará um concerto somente com peças de compositores modernos e contemporâneos – entre eles, Villa-Lobos e Claudio Santoro, escritas para diversas combinações desses cinco instrumentos.

A terceira noite ficará a cargo da Orquestra Jovem de Pernambuco, com regência de Rafael Garcia e participação especial do violinista Daniel Guedes. O solista tocará um concerto para violino e cordas do gaúcho Radamés Gnatalli (1906-1987) intercalando a suíte Três peças nordestinas, de Clóvis Pereira, e a Serenata para cordas de Tchaikovski, interpretadas somente pela orquestra.

No encerramento do festival, o violonista costarriquenho radicado na Bahia Mario Ulloa e o violinista Daniel Guedes interpretarão arranjos de famosas canções da MPB para violão e violino, lançados recentemente em CD. O programa – que inclui Chico Buarque, Edu Lobo, João Bosco, Dorival Caymmi, Cartola, Ary Barroso, Tom Jobim, Vinícius de Moraes e outros – somente será divulgado no dia do recital.

VIII Virtuosi Brasil faz homenagem aos 80 anos do compositor Clóvis Pereira

Ministério da Cultura e Correios apresentam VIII Virtuosi Brasil

O Centro Cultural Correios Recife recebe, pelo terceiro ano consecutivo, o VIRTUOSI BRASIL, que chega a sua oitava edição investindo em intérpretes e compositores da música nacional de concerto. Entre os destaques do festival a se realizar entre os dias 17 e 20 de maio, encontram-se o grupo SOLISTAS DA CAMERATA ABERTA, a cravista ROSANA LANZELOTTE, o violinista DANIEL GUEDES, o violonista MARIO ULLOA e a ORQUESTRA JOVEM DE PERNAMBUCO sob a regência do Maestro RAFAEL GARCIA, diretor artístico do VIRTUOSI. Os concertos são gratuitos e começam a partir das 19h, com exceção do domingo quando a apresentação tem início às 17h.

Os idealizadores e produtores do evento, o Maestro Rafael Garcia e a pianista Ana Lúcia Altino, prestam homenagem ao compositor pernambucano CLÓVIS PEREIRA, que este ano celebra seu 80º aniversário, escalando a Orquestra Jovem de Pernambuco para interpretar peças do autor.

A abertura do festival, no dia 17 de maio, fica sob responsabilidade da cravista ROSANA LANZELOTTE que apresenta o programa “O Cravo Brasileiro e suas raízes portuguesas”. Pioneira na gravação de obras de compositores brasileiros ao cravo, Rosana Lanzelotte apresenta um programa que mostra a influência da música européia do séc. XVIII sobre os ritmos de nossa música. O programa passa pelas obras de Avondano e Scarlatti, onde se percebe as ricas influências do folclore ibérico. Desde o lundu do séc. XIX – coletado por Spix e Martius – faz-se presente a síncope, característica dos tangos de Nazareth e das peças de Korenchendler, registradas por Rosana no CD “O Cravo Brasileiro”.

O segundo dia, 18/05, do VIII VIRTUOSI BRASIL apresenta o grupo SOLISTAS DA CAMERATA ABERTA. A Camerata Aberta é um grupo estável da Escola de Música do Estado de São Paulo – Tom Jobim, do Governo de São Paulo, dedicado ao repertório musical dos séculos XX e XXI. O grupo tem entre seus integrantes alguns dos principais músicos atuantes na cena erudite brasileira e exerce intense atividade pedagógica na EMESP Tom Jobim, voltada para a formação de público e de jovens músicos. Já se apresentou em diversos locais em São Paulo, no Festival de Campos do Jordão, no Concertgebouw de Amsterdã (Holanda), Americas Society de Nova Iorque (EUA), em Bruxelas (Bélgica) e na Sala Cecília Meireles no Rio de Janeiro. Obteve o prêmio APCA de música contemporânea pelo pioneirismo e excelência do trabalho realizado ao longo de seu primeiro ano de existência. Seu primeiro CD sera lançado em 2012 pelo Selo SESC. Formam os SOLISTAS DA CAMERATA ABERTA a flautista Cassia Carrascoza, o clarinetista Luís Afonso Montanha, o fagotista Fábio Cury, o percussionista Herivelto Brandino e o violinista Martin Tuksa. A direção artística do grupo é de Sergio Kafejian e produção de Dulce Maltez.

Com a Orquestra Jovem de Pernambuco, sob a regência  do Maestro Rafael Garcia, o violinista DANIEL GUEDES se apresenta no dia 19 de maio. No programa, obras de Clóvis Pereira, Radamés Gnatalli e Tchaikowsky. Considerado um dos mais importantes músicos brasileiros de sua geração, DANIEL GUEDES vem se destacando como um músico versátil, atuando como violinista, violista, camerista, professor e regente. Carioca, Daniel iniciou seus estudos de violino aos sete anos com seu pai e logo ingressou no Conservatório Brasileiro de Música. Em 1991 ganhou bolsa de estudos da Capes para estudar em Londres. Posteriormente cursou bacharelado e mestrado na Manhattan School of Music de Nova York, com bolsas da Vitae e da Capes. Foi vencedor dos concursos Jovens Concertistas Brasileiros(1991), Bergen Philharmonic Competition(1998) e Waldo Mayo Memorial Award(2000), prêmio este que lhe valeu um concerto no Carnegie Hall de Nova York tocando o Concerto n°1 de Max Bruch. Atua como recitalista e solista das principais orquestras brasileiras e também nos EUA, Canadá, Inglaterra, Noruega, Itália e América do Sul. Daniel gravou seu primeiro disco em 2000 pelo selo Niterói Discos e em 2004 lançou o CD Impressões Brasileiras, com Flávio Augusto ao piano. Em 2005 gravou o CD Ya Mariamu com Fábio Presgrave e Rami Khalife, contendo obras de Astor Piazzolla. Lançou em 2008 o CD Suíte das Origens e recentemente o CD “Beethoven in Brazil”. Gravou o CD “Violão e Violino”, com Mario Ulloa, tocando compositores populares brasileiros, pelo selo Rob Digital. É professor da UFRJ, além de lecionar em importantes festivais como Campos do Jordão, Santa Catarina, Mendoza, Argentina e Juiz de Fora, entre outros.

No dia 20 de maio, às 17h, o duo Daniel Guedes e Mario Ulloa encerram o festival apresentando um programa “O Violino e o Violão na música popular brasileira”. MARIO ULLOA, natural da Costa Rica, estudou na Escuela de Artes Musicales de la Universidad de Costa Rica, em San José, formando-se em 1985, sob a tutoria do professor Luis Zumbado. Com bolsas de estudos do DAAD e do KAAD, continuou seus estudos musicais na Musikhochschule Köln, Alemanha, obtendo em 1990, o mais alto diploma dessa instituição: Diploma de Concertista. Nessa mesma Escola realizou estudos de música barroca com o Professor Konrad Junghännel. Ainda com Fisk, realizou também estudos no Mozarteum, Salzburgo, Áustria. É Doutor em Música pela Universidade da Bahia. Obteve o Prêmio de Melhor Intérprete de Agustín Barrios, no Paraguai (1994), e o 5º Prêmio (Prêmio Printemps de la Guitare), na Bélgica (1997). Tem se apresentado em países como Inglaterra, Alemanha, Áustria, Holanda, Noruega, França, Bélgica, Canadá, Estados Unidos, México, Panamá, Costa Rica, Equador, Argentina, Paraguai, e nas principais capitais brasileiras. Gravou os Cds “Mario Ulloa no Brasil” (1998); “Mario Ulloa interpreta J.S.Bach” (2001) – premiado no Troféu Caymmi, em Salvador-Bahia; e recentemente “Mario Ulloa interpreta Caymmi” (2006), este último com arranjos próprios. É professor de violão UFBA e, freqüentemente, oferece Master Classes em outras instituições musicais nacionais e internacionais.

A amizade construída entre o violinista Daniel Guedes e o violonista Mário Ulloa no Festival de Música de Santa Catarina, onde ambos são professores, resultou na gravação de um CD com repertório integralmente brasileiro. O que começou com saraus improvisados em bares e restaurantes após os concertos no Festival se transformou hoje em um CD com obras de Chico Buarque, Edu Lobo, João Bosco, Dorival Caymmi, Cartola, Ary Barroso, Tom Jobim, Vinícius de Moraes e Dudu Falcão, entre outros compositores.

Conta Daniel Guedes que os arranjos são inéditos e destacam as riquezas melódicas, harmônicas, rítmicas, e de timbre do repertório; visam também a exploração de recursos idiomáticos dessa combinação instrumental. “Existem poucos registros de peças – compostas, transcritas ou arranjadas – para violão e violino, e esse é também um dos motivos para a realização deste álbum”.

Com ampla trajetória nacional e internacional, os músicos atuam como professores da Universidade Federal da Bahia (Mário Ulloa) e da Universidade Federal do Rio de Janeiro (Daniel Guedes), além de desenvolverem intensa atividade como recitalistas, solistas e cameristas. Da afinidade e do interesse comum pela música instrumental brasileira, nasceu o duo que agora lança seu primeiro compacto, gravado sob os cuidados de Sérgio Lima Neto, no Estúdio Araras (Rio de Janeiro), e apresentado pela gravadora RobDigital.

Nos dias 17 e 18 haverá concertos-aula gratuitos abertos para jovens estudantes da rede pública de ensino, organizações sociais, entre outros interessados. Para participar, os interessados devem entrar em contato com o Centro Cultural Correios Recife para maiores informações.

SERVIÇO:

ONDE: CENTRO CULTURAL CORREIOS RECIFE (Av. Marques de Olinda, 262, Recife Antigo)

QUANDO: 17 a 20 de maio

ENTRADA FRANCA

PATROCINIO: Correios e BNDES

APOIO: Funcultura, Fundarpe, Secretaria de Cultura, Governo do Estado de Pernambuco, CEPE, FolhaPE

Realização: Centro Cultural Correios Recife, Virtuosi, Governo Federal