A focalizada nesse domingo é a pernambucana, Ana Lúcia Altino, DMA em piano performance pela Universidade de Boston (EUA). Ela é graduada pela UFPE, estudou na Escola Superior de Música de Detmold com bolsa do governo da Alemanha, foi vencedora de vários prêmios nacionais e solista das grandes orquestras do país sob a regência de importantes regentes como Eleazar de Carvalho, Diogo Pacheco, Isaac Karabtchevsky, Pierre Colombo, Carlos Veiga. À convite do maestro Eleazar de Carvalho foi pianista da OSESP.

Ana Lucia é responsável pelo ressurgimento do movimento musical da Paraíba, criou o Departamento e o Curso de Bacharelado em Música da Universidade Federal assim como a Orquestra Sinfônica daquele estado. Foi Diretora Administrativa da Orquestra Sinfônica de Campinas, SP e criou com seu marido maestro Rafael Garcia o projeto Virtuosi que compreende cinco diferentes festivais que são realizados durante o ano no Recife, Olinda, Gravatá, Garanhuns e João Pessoa.

Qual a maior invenção do homem – A música

Qual a pior invenção do homem – A violência

Uma música inesquecível – Adagietto da Sinfonia nº 5 de Gustav Mahler

Com quem gostaria de se esbarrar no Virtuosi – O governador Eduardo Campos

Filme preferido – Le Concert

Um ator – Robert Redford

Uma atriz – Catherine Deneuve

A música que mais gosta de ouvir – Vier Ernste Gesänge de Brahms

Um compositor – Brahms

Um cantor – Fritz Wunderlich

Uma cantora – Elis Regina

A palavra mais bonita na música – Apassionato

E a mais feia – Desafinação

Comida preferida – Arroz, feijão, filé e bata frita

Comida que detesta – Apimentada

Restaurante que gosta de ir – Legal Sea Food em Boston, EUA

O que não pode faltar na sua geladeira – Coca-Cola

Livro de cabeceira – No momento “The Mahler Symphonies – Na Owner’s Symphonies – Na Owner’s Manuel de David Hurwitz

Um escritor (a) – Jorge Amado

Quem gostaria que escrevesse sua biografia – Paulo Scarpa

Um concerto inesquecível – Orquestra Filarmônica de Berlim com Fischer-Dieskau e Cláudio Abbado

Qual o ponto turístico do Recife que recomendaria a um turista – A Oficina de Brennand