II VIRTUOSI SÉCULO XXI: Compositores convidados

Johannes Waalter

CASPAR JOHANNES WALTER nasceu em Frankfurt / Main em 1964. Estudou composição com VD Kirchner (Wiesbaden), bem como com J. Fritsch e C. Barlow (Conservatório de Música de Colônia, 1985-1990). Em 1985, ele foi co-fundador da Thürmchen Verlag (Editora) em Colônia. Ele recebeu vários prêmios importantes, incluindo o primeiro prêmio no Concurso de Composição Stuttgart (1991), o Prêmio Irino para Orquestra (Japão, 1992), o primeiro prêmio na competição Viena Moderna – 1995, o Prêmio Hindemith do Festival de Schleswig-Holstein e do estado da Renânia do Norte-Vestfália o prêmio do mais promissor na categoria música. Em 1988, ele foi premiado na mesma categoria pela cidade de Colônia. Ele recebeu uma bolsa de estudos em 1995/96 para o Künstlerhof Schreyahn (Artistas de Colônia ), Lower Saxony, e em 1998 foi concedida uma bolsa de estudos para realizar o seu trabalho na Villa Massimo, em Roma. Ele representou a nova geração de músicos de Colonia em projetos de intercâmbio patrocinados pelo Goethe Institut, em Nova York (1989) e Atlanta (1993). Suas peças foram selecionadas para o Dia Mundial da Música em Estocolmo em 1994, em Copenhague, em 1996. Um CD com obras de música de câmara lançado pelo Conselho Alemão de Música pelo selo Wergo, recebeu o Prêmio da Crítica Alemã em 1998. Seu interesse como intérprete – é violoncelista do Thürmchen Ensemble – está focado principalmente em jovens compositores das áreas de música experimental e teatro musical. As obras de Johannes Caspar Walter são executadas regularmente, não só na Europa, mas também com muito sucesso nos EUA e no Japão, com estreias mundiais em Atlanta e Tóquio.

Gervasoni

STEFANO GERVASONI nasceu em Bergamo, em 1962. Iniciou seu estudo de composição com Luigi Nono: este encontro, bem como aqueles com Brian Ferneyhough, Peter Eötvös e Helmut Lachenmann, foram decisivos para a sua carreira. Depois de frequentar o Conservatório Giuseppe Verdi em Milão, Gervasoni completou seus estudos na Hungria com György Ligeti e depois em Paris, onde, em 1992, seguiu o curso de Composição e Música Computadorizada organizado pelo Ircam. Os três primeiros anos de sua estada na França forneceu as bases para uma carreira internacional que o levou a ser “pensionnaire” na Villa Medici 1995-1996. Tornou-se um dos mais importantes compositores italianos na cena contemporânea e recebeu comissões do Ensemble Intercontemporain, da WDR, o SWF, Orquestra Sinfonica Nazionale della RAI, Festival d’ Automne, Radio França, IRCAM, a Casa da Música, Festival Archipel, o MaerzMusik, Ars Musica e no Suntory Hall. Suas composições foram publicadas pela Ricordi e desde 2000, por Edizioni Suvini Zerboni – Sugarmusic SpA. Um CD monográfico intitulado ANTITERRA com Um, Animato, Antiterra, Bee Menos, Godspell e Epicadenza, foi lançado recentemente na França com o selo Aeon e apresenta um mundo musical de grande riqueza, sutileza e refinamento, tanto expressivo e introspectivo , que imediatamente capta a nossa atenção (Philippe ALBERA).
Seu trabalho já ganhou inúmeros prêmios, entre eles da Fondation des Treilles e do DAAD. Participou do Forum de Jovens Compositores em Colônia, do Seminário Klangforum e lecionou nos cursos de verão de Darmstadt, na Fondation Royaumont, na Universidade Toho, no Festival Internacional de Campos do Jordão, no Shangai Conservatory, na Universidade Columbia e na Universidade de Harvard. Ensina composição no Conservatório Nacional Superior de Música e de Dança de Paris e foi compositor residente no Centro de Arte Contemporânea do Domaine de Kerguéhennec.



Tags: ,
Esse texto foi publicado quarta-feira, outubro 2nd, 2013 às 9:15 AM na seção Artistas. Você pode acompanhar todos os comentários através do feed RSS 2.0. Você também pode comentar, ou criar um link para cá em seu site.

Comente!

Seu comentário