Edições passadas

1998 | A primeira edição do Festival Internacional de Música de Câmara de Pernambuco aconteceu no Teatro da UFPE, nos dias 18 e 19 de dezembro de 1998, agradando a todos e causando espanto. A cada aparição de um artista, uma nova surpresa. Sob o ponto de vista musical, o resultado foi excelente por entendermos que a música de câmara é, na música erudita, o gênero mais dificil e sofisticado.

1999 | A semente plantada germinou e a boa colheita levou à realização do segundo encontro desses artistas no Recife em dezembro de 1999. A partir desta data o festival passou a se chamar VIRTUOSI e assim se tornou conhecido nacionalmente. O II VIRTUOSI reuniu na cidade cerca de 30 artistas e executou em três noites, 17 obras do repertório camerístico, sendo que seis dessas obras foram apresentadas pela primeira vez no País. Uma das características do VIRTUOSI é justamente o fato de realizar concertos que parecem “maratonas”, pela longa duração. Outra característica que encanta a quem assiste aos concertos é o revezamento de artistas no palco executando peças curtas e de execução extremamente difícil, que demandam do intérprete verdadeiros exercícios de malabarismo, chegando a confundir o músico com o ginasta (como no caso dos contrabaixistas).

2000 | | III VIRTUOSI foi realizado em dezembro de 2000, tendo como palco mais uma vez o Teatro da UFPE. Dessa feita o festival apresentou 22 obras do repertório, o que seria suficiente para realizar no mínimo 7 ou 8 concertos dentro de um calendário normal de eventos. Neste ano, o Festival comemorou os 100 anos do velho Maestro Vicente Fittipaldi, que chegou ao Recife em 1925 e que ajudou a criar o Conservatório Pernambucano de Música e a Orquestra Sinfônica da cidade, sua maior obra.

2001 | Homenageando os 100 anos da morte do compositor italiano Verdi, o IV VIRTUOSI realizou cinco concertos entre os dias 11 e 15 de dezembro de 2001 no Teatro da UFPE. Reunindo cerca de 40 artistas nacionais e internacionais, o festival homenageou a Dama do Piano de Pernambuco, a pianista Josefina Aguiar, trazendo-a de volta ao palco depois de anos de inatividade, executando o segundo movimento do Concerto em fá menor de J.S.Bach. A presença da grande pianista pernambucana emocionou o público presente e a todos os artistas no palco.

2002 | Em 2002 foi realizado o V Festival Internacional de Música de Câmara de Pernambuco, o mais completo realizado em Pernambuco, que contou com o apoio integral do Sistema de Incentivo à Cultura, do Governo do Estado. Mais uma vez foram realizados cinco concertos no Teatro da UFPE, entre os dias 19 e 23 de novembro, com a apresentação de 31 obras sendo 16 em primeira audição. Naquele ano, o festival homenageou os 80 anos da Semana de Arte Moderna de 22, apresentando numa das noites obras de Heitor Villa-Lobos, exatamente aquelas que foram executadas na época e que tinham sido vaiadas.

2003 | De 25 a 29 de novembro de 2003 realizou-se o VI VIRTUOSI. Pela primeira vez, o evento se realizou no Teatro de Santa Isabel encontrando lá sua verdadeira casa. O monumento tombado da arte de Pernambuco mostrou-se o local adequado para a realização do VIRTUOSI. O teatro lotado ovacionou todas as noites as estrelas que desfilaram no palco do nosso velho e querido Santa Isabel. O VI VIRTUOSI homenageou um dos filhos mais ilustres de Pernambuco, o maior compositor vivo brasileiro, o pernambucano Marlos Nobre. Em uma noite, quatro de suas obras mais importantes foram apresentadas, sendo três delas em primeira audição no estado, e duas delas em primeira audição na América do Sul. Marlos Nobre não vinha ao Recife há bastante tempo e curiosamente o público pernambucano pouco conhecia de sua música. Apesar disso, a música de Nobre foi recebida com aplausos carinhosos e terminou o compositor e pianista sendo ovacionado pelo público presente. Foram executadas as obras Partita Latina, Concerto II para orquestra de cordas, Desafio I para viola e Concertante do Imaginário para piano e orquestra. Neste mesmo ano, o VIRTUOSI foi convidado a também realizar apresentações na maior sala de concertos da América Latina, a Sala São Paulo. E assim, no dia 02 de dezembro, levou para o grande centro cultural paulista o melhor do que foi apresentado no Recife.

2004 | O VII VIRTUOSI se realizou no período compreendido entre os dias 12 e 19 de dezembro de 2004. Desta vez foi o pernambucano Antonio Meneses o homenageado. Um dos melhores violoncelistas do mundo, Antonio Meneses, nascido no Recife, é hoje professor em Basel, Suiça, e membro do Beaux Arts Trio. Único brasileiro a ser solista e a gravar com a Filarmônica de Berlim sob a regência e direção do Maestro Herbert von Karajan, Antonio Meneses é um artista requisitado por todos os grandes centros do mundo, e se apresentou na última noite do festival executando em primeira audição mundial o Concertino para cello e orquestra de cordas do compositor pernambucano Clóvis Pereira.

2005 | De 12 a 18 de dezembro de 2005 foi realizado o VIII VIRTUOSI, homenageando o compositor pernambucano Clóvis Pereira. Através de seleção pública, o Virtuosi teve seu projeto de gravação de 2 CDs intitulado “A Música Erudtia de Compositores Populares Pernambucanos” aprovado. Foram realizados seis concertos, dos quais dois foram abertos ao público. Foi formada uma Orquestra Sinfônica com músicos locais, nacionais e internacionais que executaram músicas de Capiba, Clóvis Pereira e Maestro Duda. O CD foi distribuído gratuitamente e recebeu da crítica especializada os melhores elogios. Participaram do evento mais de 80 artistas nacionais e internacionais.

2006 | O IX VIRTUOSI teve como homenageado o maestro e compositor pernambucano José Ursicino da Silva, o Maestro Duda. Antecipando as comemorações dos 100 anos do Frevo, o Virtuosi dedicou uma noite a um dos maiores compositores de Frevo, o Maestro Duda. Duas obras foram escritas especialmente para o festival e que tiveram estréia mundial durante o evento: Concertino para viola e orquestra de cordas e o frevo “Lucas, o esperado”. Participaram do festival artistas como o violoncelista pernambucano Antonio Meneses que, com generosidade, tocou o Concerto de Shostakovich nº1 para cello e orquestra sinfônica e um recital inusitado intitulado “Antonio Meneses &…” no qual Antonio se apresentou em duos com Leonardo Altino (cello), Rafael Altino (viola), Sergio Oliveira (baixo), Rogério Wolf (flauta), Yehezkel Yerushalmi (violino) e Ana Lucia Altino (piano). O IX VIRTUOSI trouxe novidades. Criou uma nova série de concertos às 19h que aconteceu no Salão Nobre do Teatro de Santa Isabel para 200 pessoas. Foram 16 concertos incluindo os concertos-aula para alunos dos estabelecimentos de ensino público.

2007 | Os 10 anos do Virtuosi foram comemorados com extensa programação e músicos de altíssimo nível e renome internacional. Mais de 80 instrumentistas vieram ao Recife para participar do X VIRTUOSI, incluindo nomes mundialmente famosos, que vieram ao festival pela primeira vez como o pianista suíço Gerard Wyss, o violinista italiano Mauro Loguercio, o trombonista sueco Christian Lindberg (considerado ao lado de Miles Davis e Louis Armstrong como um dos três maiores instrumentistas de sopro do mundo), o pianista sueco Roland Pontinen, e a soprano russa Valeria Stenkina, que fez um recital lírico com trechos de óperas. A programação totalmente gratuita teve ainda o Virtuosi pela Paz, uma maratona de 24 horas de música, com o patrocínio da Petrobras, que ocupou o Teatro de Santa Isabel madrugada a dentro com música sinfônica, música de câmara e recitais líricos, além de uma rave de música erudita com DJs da Deusch Grammophon. O homenegeado deste ano foi o mestre Ariano Suassuna, que teve uma noite com composições armorial inétidas dedicadas a ele.