CLIPPING: Música clássica vibra em temperaturas baixas (DP)

Virtuosi_440px_FloraPimentel

É terça-feira, pleno dia mundial do rock. O interior do estado se prepara para uma maratona de shows ecléticos; em dois dias começa o Festival de Inverno de Garanhuns que vai mostrar Gal Costa, Móveis Coloniais de Acaju, Eddie, Pitty e Paralamas do Sucesso. Antes, uma parada estratégica em Gravatá para ouvir música clássica. A estrada de fluxo livre denuncia que a invasão em massa da cidade ainda não começou.

A primeira noite do festival Virtuosi de Gravatá (que também se apresenta no FIG) começa com o Hino do Brasil, onde todos os cidadãos cantaram em pé, emocionados, até o fim, talvez com resquícios da, com sorte, esquecida Copa do Mundo. A Igreja Matriz de Sant’Ana está repleta de gente acasacada, mas não ultrapassa sua capacidade. As atrações da noite são a Orquestra Virtuosi, a violinista dinamarquesa Sara Wallevik, o viola Rafael Atino e a soprano Gabriela Pacce. A largada é dada com o concerto de Brandemburgo nº 3 em sol maior, seguido do prazeroso duo de Wallevik e Altino na Suíte nº 3 para violino e viola Op. 19 nº 1, de Kurt Atterberg.

O repertório começou tristonho, os nervos só começaram a esquentar em Rossini, terceira obra do programa. Depois de uma homenagem ao trombonista paraibano Radeguindis Feitosa, chega a vez de Gabriella Pacce, que já foi Micaela em Carmen, Susanna em As bodas de Fígaro e Ceci em O Guarany. No Virtuosi, ela apresentou árias das óperas Rinaldo, As bodas de Fígaro, Falstaff e Fausto. Mas o apelo popular, aquele que contagia e aproxima o público, tão importante em concertos clássicos atualmente – ainda mais para o público ainda não educado musicalmente de Gravatá – só veio mesmo com O mio bambbino caro, de Puccini.

A soprano já se apresentou no Virtuosi anteriormente, foi Dulcinéia, de Dulcinéia e Trancoso. Ela, como outros parece ter entrado para a família Virtuosi, que além de ser gerado por uma família, também costuma “acolher” músicos que se apresentaram em edições passadas do Virtuosi, trazendo-os novamente para outras versões do festival, interiorizações etc. Pacce é expressiva, coisa que algumas cantoras de óperas atuais parecem abandonar, se tornando múmias de boa voz. Não foi à toa que ela faturou o prêmio Carlos Gomes de 2010. O brilho da noite ficou mesmo por conta dos solistas, que encobriram a apática orquestra que não faz jus ao nome do evento.O Virtuosi Gravatá vai até o dia 18 e presta homenagem aos 200 anos do nascimento de Schumann e Chopin.

Link: http://www.diariodepernambuco.com.br/2010/07/15/viver3_0.asp



Tags:
Esse texto foi publicado quinta-feira, julho 15th, 2010 às 9:08 AM na seção Clipping. Você pode acompanhar todos os comentários através do feed RSS 2.0. Você também pode comentar, ou criar um link para cá em seu site.

4 comentários to “CLIPPING: Música clássica vibra em temperaturas baixas (DP)”

  1. Carol Georgis

    I simply want to mention I am just newbie to blogs and actually loved you’re web page. Probably I’m likely to bookmark your site . You definitely come with great article content. Kudos for sharing with us your web site.

  2. This Site

    I’ve been surfing online more than three hours today, yet I never found any interesting article like yours. It’s pretty worth enough for me. In my view, if all site owners and bloggers made good content as you did, the web will be much more useful than ever before.

  3. link

    It’s exhausting to seek out knowledgeable individuals on this matter, but you sound like you recognize what you’re talking about! Thanks

  4. Futures Trader

    You might have brought up a very fantastic details , thanks for the post. “I am not an adventurer by choice but by fate.” by Vincent Van Gogh.

Comente!

Seu comentário