Wagner Gil
Especial para o JC

GRAVATÁ – O privilegiado público que esteve na Catedral de Sant’Ana, no último sábado, para assistir ao 3º Virtuosi de Gravatá ficou impressionado com a qualidade das apresentações e não demorou para perceber como este tipo de música faz bem. A igreja estava lotada e do lado de fora centenas de pessoas se acomodaram em cadeiras que foram colocadas embaixo de várias tendas. O evento, que reúne artistas da música erudita e clássica de todo planeta, foi dedicado este ano aos 200 anos de nascimento de Franz Liszt trazendo para o Agreste do Estado nomes como a mezzo-soprano Adriana Clis, o ucraniano Alexander Hrustevich, considerado um dos melhores acordeonistas do mundo, o pianista coreano Jihye Chang, e o violinista Benjamin Sung, que encerrou as apresentações da noite do último sábado.

Para a empresária recifense Ana Ruth, o Virtuosi é uma oportunidade ímpar para que esse tipo de evento possa expandido em outras cidades, principalmente no Recife. “Estou encantada. Este é a segunda vez que estou aqui e cada vez me impressiono mais. Uma música que atinge nossa alma e nos deixa mais leve. O violinista me deixou encantada”, disse a empresária. O artista plástico João Belém destacou a oportunidade que o Nordeste está tendo de receber grandes nomes da música mundial. “Esse festival, além de grandes músicos, nos dá a oportunidade de termos uma música requintada e de muita qualidade”, comentou. “É uma oportunidade para despertar as autoridades de Recife e outros Estados do Nordeste. Um festival extraordinário e com um repertório muito bem elaborado e executado de forma excepcional”, disse o alagoano Cláudio Vasconcelos. “Vou divulgar e volto em 2012 com mais gente”, completou.

O festival Virtuosi é um ambicioso projeto do maestro Rafael Garcia. Natural do Chile, mas morando em Recife há décadas, ele é o criador do evento e também o diretor artístico. Logo após a apresentação do violinista Benjamin Sung, que teve sua regência e o acompanhamento da Orquestra do Festival, ele pediu mais apoio para a música clássica e garantiu que vai dar continuidade ao Virtuosi, mas foi enfático em falar das dificuldades que esse tipo de evento tem para ser realizado.

“Algo tem que ser modificado em nossa terra. As pessoas dão sangue para elevar o nível cultural de nosso povo. Precisamos levar esse tipo de evento mais adiante”, disse. Este ano o aconteceu de 9 a 16 de julho com 17 atrações.