CLIPPING: FOLHA DE PERNAMBUCO – 09/10/2012

Para ouvir e pensar a música contemporânea
Talles Colatino

“De alguma forma, nós já nos acostumamos com a expressão contemporânea do teatro, da literatura e das artes plásticas. Com a música erudita, porém, nosso olhar ainda está muito viciado no tradicional”. A colocação de Ana Lúcia Altino, coordenadora do Virtuosi Século XXI, cuja programação tem início hoje e vai até a próxima quinta-feira, na Caixa Cultural, é mais que pertinente. E nela se justifica a existência deste novo braço do festival, dedicado à música erudita e apoiado em dois pilares: divulgação e formação.

“Em todas as edições do festival, sempre tivemos o cuidado de reservar um espaço para a música contemporânea. A ideia de expandir isso, a ponto de se tornar um festival independente, surgiu no ano passado, quando durante o 14º Virtuosi Internacional, dedicamos uma programação de diálogos com foco na música contemporânea nordestina”, explica a coordenadora. A ideia do Virtuosi Século XXI é extrapolar fronteiras e oferecer ao público um panorama expandido e mundial da nova música erudita.

Sob direção artística de Rafael Garcia, curadoria do compositor paraibano Eli-Eri Moura e coordenação de Ana Lúcia, a primeira edição do Virtuosi Século XXI está dividida em três segmentos: a mostra de música contemporânea, série de encontros entre compositores e comunidade em geral e oficina de composição. A mostra de música contemporânea compreende três concertos com a participação do violinista suíço Egidius Streiff, o Grupo Sonantis da UFPB, a Orquestra do Festival sob a direção do Maestro Rafael Garcia e o quinteto de sopros sueco Gotlands Blasarkvintett. Os concertos serão realizados sempre às 20h, com entrada franca.

Entre os convidados, o destaque da edição é a presença do compositor francês Tristan Murail, grande referência da produção contemporânea através de uma vertente alternativa que ficou conhecida como música espectral, cujas características são a exploração e decomposição do som, graças a ferramentas informático-musicais. O músico foi recentemente nomeado professor de composição da Universidade Mozarteum de Salzburg. Além de palestra, Murail ministrará três oficinas de composição.

Marlos Nobre (PE), João Pedro Oliveira (Portugal/MG), Harry Crowl (PR), Roberto Victorio (MT) e Eli-Eri Moura (PB) são alguns dos outros compositores, com atuação reconhecida no Brasil e no exterior, que também participarão como palestrantes do festival. Além deles, outro compositor internacional, o sueco Ramon Anthin, ministrará workshop de música contemporânea. O Virtuosi Século XXI ainda incluirá um workshop sobre interpretação da música contemporânea para violino, pelo violinista suíço Egidius Streiff, especialista da área, e masterclasses com o quinteto sueco Gotlands Blasarkvintett. “É uma das nossas preocupações também estabelecer diálogos entre os próprios artistas, os nacionais com os internacionais”, pontua Ana.

Na programação dos concertos serão apresentadas obras dos compositores brasileiros Harry Crowl, Marlos Nobre, Roberto Victorio, Eli-Eri Moura, Marcilio Onofre, Edino Krieger assim como de Villa-Lobos e Lorenzo Fernandes. A mostra também apresenta obras de estrangeiros, tais como Murail, Ramon Anthin (Suécia), João Pedro de Oliveira (Portugal), Heidi Baader-Nobs e Michele Rusconi (Suiça), Arthur Lourié (Rússia), entre outros. A Orquestra do Festival também prestará uma homenagem ao centenário do compositor americano John Cage, interpretando uma de suas obras mais famosas, 4’33” (lê-se “Quatro minutos e trinta e três segundos”).

Serviço
Virtuosi Século XXI
Hoje, amanhã e quinta-feira
Caixa Cultural (rua Alfredo Lisboa, 505, Bairro do Recife)
Entrada Franca



Esse texto foi publicado terça-feira, outubro 9th, 2012 às 10:14 AM na seção Clipping. Você pode acompanhar todos os comentários através do feed RSS 2.0. Você também pode comentar, ou criar um link para cá em seu site.

Comente!

Seu comentário