Popular e erudito em concerto

(Carolina Santos)

Música erudita não deve ser encarada como bicho-papão. Pode ser bela, vibrante, emocionar de fato. A popularização desse tipo de música é uma das bandeiras do festival Virtuosi Brasil, que chega neste ano à sua sexta edição, com apresentações hoje, amanhã e domingo.

A principal mudança é o endereço: o festival, patrocinado pelo governo de Pernambuco e Correios, deixa o Teatro Santa Isabel e passa a ocupar uma sala com espaço para 300 pessoas no Centro Cultural dos Correios, no Bairro do Recife. A entrada é gratuita, mas é preciso pegar o ingresso na bilheteria com uma hora de antecedência.

Hoje, o Virtuosi recebe a Orquestra Jovem de Pernambuco para um repertório romântico, com a participação do violinista Alessandro Borgomanero (foto), atual spalla (principal violinista) da Orquestra Sinfônica de Brasília. A abertura é com o Concerto de Brandemburgo em sol maior, de Bach. “É uma peça difícil, que exige muito das violas, celos e violinos”, comenta o maestro Rafael Garcia, responsável pela orquestra, que reúne jovens de baixa renda, e pelo festival Virtuosi.

Burgomanero, que estudou música na Itália e na Alemanha, vai participar no Concerto em ré menor para violino, de Mendelssohn, e nas Árias ciganas, do compositor espanhol Pablo Sarasate. “São duas peças altamente românticas e brilhantes. Têm melodias muito bonitas e acessíveis. A peça de Sarasate, por exemplo, faz com que o violino imite a música tradicional cigana”, explica Burgomanero. Além da beleza sonora, as peças de Mendelsshon têm movimentos bastante rápidos, vibrantes, capazes de empolgar o público. “É uma obra que exige virtuosismo”, resume o violinista.

No sábado, é a vez do Quinteto Brassil e Percussão, formado por professores da Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Com 20 anos ininterruptos de atividade, o grupo é composto por instrumentos de metal (dois trompetes, tuba, trombone e trompa) e percussão brasileira. O repertório traz composições de Villa-Lobos (Bachiannas número 5), Ary Barroso (Aquarela do Brasil) e Luiz Gonzaga. O último dia dofestival conta com a participação de um grupo bem interessante, o Carcoarco, de Campinas (SP). Para tocar composições folclóricas e populares, eles usam instrumentos confeccionados pelos próprios músicos, como rabecas e vasos de cerâmica. Além dos concertos às 19h, hoje e amanhã o público também pode conferir ensaios abertos, sempre às 16h. Mais informações: www.virtuosi.com e 3363-0138.